terça-feira, 20 de outubro de 2015

Entre Barreiras


(Clicar dentro da imagem para ampliar)


entre barreiras ergo o esqueleto
entorpecido para rasgar o sepulcro da vontade.

vi-te correr como gaivota de asas de cera
a imensidão do oceano tão longínquo
e tão estreitamente intemporal.

por isso te conservo sem braços sem rosto
despida de ideologias
de olhos nus por entre a barba
da terra em cada manhã fresca
de cacimbo quando gritavas
a tua sede no azul que flutuava em redor.

falo não-digo.
já ouço lá fora o histerismo contagiante:
as moscas poisam-me nas mãos.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.